domingo, 13 de março de 2011

Comparação do deísmo com a religião cristã.

Tradução: Joseclei Nunes
Edição: Thiago Henrique  

Toda pessoa, independentemente da sua denominação religiosa que seja, é um deísta no primeiro artigo de seu credo. Deísmo, a partir da palavra latina Dei, Deus, é a crença de um Deus, e essa crença é o primeiro artigo do credo de cada homem.

  Sempre que passo ao lado deste artigo, misturando-o com artigos da invenção humana, vagou em um labirinto de incerteza e de fábula, e ficam expostas a todo tipo de imposição por pretendentes à revelação.

  O Persa mostra o Zend-Avesta de Zoroastro, o legislador da Pérsia, e chama a lei divina. O Bramin mostra o Shaster, revelado, diz ele, por Deus Brama, e dado a ele a partir de uma nuvem. O judeu mostra o que ele chama a lei de Moisés, tendo em conta, diz ele, por Deus, no Monte Sinai. O Cristianismo mostra uma coleção de livros e cartas, escrita por ninguém sabe quem, e chamou o Novo Testamento. E as maometanas mostram o Corão, dado, ele diz, por Deus a Maomé: cada um desses chama-se religião revelada. E a verdadeira única palavra de Deus, e isso os seguidores de todas as crenças professam crer do hábito da educação, e cada um acredita que os outros são impostas.

  Mas, quando o dom divino da razão começa a expandir-se na mente e chama o homem para a reflexão, ele lê e contempla Deus e Suas obras, e não nos livros que fingem ser revelação. A criação é a “bíblia” do verdadeiro crente em Deus. Tudo neste vasto volume inspira com idéias sublime do Criador. É insignificante, e muitas vezes obscena, contos pouco da pia Bíblia em desgraça quando colocado em comparação com este trabalho poderoso.

  O deísta não tem nenhum desses truques, nem mostra os chamados milagres para confirmar a sua fé. O que pode ser um milagre maior do que a própria criação, e a própria existência dele?
Há uma felicidade no Deísmo, quando bem compreendido, que não pode ser encontrada em qualquer outro sistema de religião. Todos os outros sistemas têm algo em que choque nossa razão, ou é repugnante, e o homem, se ele pensa em todo esse sistema, deve abafar sua razão, a fim de forçar-se a acreditar neles.
 A maravilhosa estrutura do universo, e tudo o que vemos no sistema de criação, nos prova muito melhor do que os livros podem fazer a existência de um Deus, e ao mesmo tempo, proclama seus atributos.
É pelo exercício de nossa razão que estamos capacitados a contemplar Deus em Sua obra, e imitá-lo em Seus caminhos. Quando vemos o Seu cuidado e bondade estendida sobre todas as Suas criaturas, ela nos ensina o nosso dever para o outro, enquanto evoca a nossa gratidão a ele. É pelo esquecimento de Deus em suas obras, e correndo atrás dos livros da revelação, que o homem se desvia do caminho reto do dever e da felicidade, e se transforma em vítima da dúvida e da ilusão de enganar.

  Exceto no artigo primeiro do credo cristão de acreditar em Deus, não há um artigo em que ocupa a mente, mas com a dúvida quanto à veracidade do mesmo, o homem começa a pensar instantaneamente. Agora, cada artigo em uma crença que é necessária para a felicidade e a salvação do homem, devia ser tão evidente para a razão e a compreensão do homem como o primeiro artigo é, pois Deus não nos deu razão com a finalidade de confundir-nos, mas que devemos usá-la para nossa própria felicidade e sua glória.
A verdade do primeiro artigo é provada por Deus, e é universal, pois a criação é por si só demonstração da existência de um Criador. Mas o artigo segundo, que de Deus gerou um filho, não está provado nos mesmos moldes, e fica em nenhuma outra autoridade do que a de um conto.

  Alguns livros em que é chamado de Novo Testamento nos dizem que José sonhou que o anjo disse-lhe assim, (I Mateus, 20): "E eis que o anjo do Senhor apareceu a José, em sonho, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber contigo tua mulher, Maria, pois o que nela está gerado é do Espírito Santo”.
As evidências sobre esse artigo não tem qualquer comparação com a evidência sobre o primeiro artigo, e por isso não tem direito ao crédito mesmo, e não deve ser feito um artigo em um credo, porque há evidência de que está com defeito, e que as provas são duvidosas e suspeitas. Nós não acreditamos que o primeiro artigo sobre a autoridade dos livros, Bíblias se chamado ou Korans, nem ainda sobre a autoridade visionária de sonhos, mas sobre a autoridade do próprio Deus trabalhar visivelmente na criação.

  Os países que nunca ouviram falar desses livros, nem de pessoas como judeus, cristãos ou maometanos, acreditam que a existência de um Deus tão plenamente como o que fazemos, porque é auto-evidente.
Quando vemos um relógio, temos como prova positiva da existência de um relojoeiro, como se viu, e na forma como a criação de uma evidência para a nossa razão e nossos sentidos da existência de um Criador. Mas não há nada na obra de Deus, que é prova de que Ele gerou um filho, nem nada no sistema de criação que corrobora essa idéia, e, portanto, não estamos autorizados a acreditar nisso.

  Que verdade pode haver na história de que Maria, antes que ela era casada com José, era mantido por um dos soldados romanos, e foi com o filho dele, eu deixo de ser resolvido entre os judeus e cristãos. A história, entretanto, tem probabilidade de lado, para o seu marido Joseph suspeita e estava com ciúmes dela, e estava indo para repudiá-la. "José, seu esposo, sendo justo e não querendo fazer seu público um exemplo, foi vai deixá-la, em particular. “(Mt i, 19).

  Eu já disse que "sempre que passo ao lado do primeiro artigo (de acreditar em Deus) vagamos em um labirinto de incerteza", e aqui está a prova da justeza da observação, pois é impossível para nós para decidir que foi o pai de Jesus Cristo.

  Mas a presunção pode assumir qualquer coisa e, portanto, torna o sonho de José ser de igualdade com a existência de Deus, e para ajudá-lo a chamar de revelação. É impossível para a mente do homem em seus momentos graves, ela pode ter sido enredado por educação, ou acometido de sacerdócio, porém não para ficar parado entre dúvidas sobre a verdade do presente artigo e de seu credo.

  Mas isso não é tudo. O segundo artigo do credo cristão ter trazido o filho de Maria em todo o mundo (e Maria, de acordo com as tabelas cronológica, era uma menina de apenas quinze anos de idade, quando o filho nasceu), o próximo artigo vai na conta por ter sido gerado, o qual foi, que quando ele cresceu um homem que ele deve ser condenado à morte, para expiar, dizem, que o pecado de Adão trouxe ao mundo, comendo uma maçã ou uma espécie de fruto proibido.

  Mas, embora este seja o credo da Igreja de Roma, de onde os protestantes emprestados, é uma crença que a igreja tem produzido, por si só, pois não está contido nem derivado, o livro chamado Novo Testamento.
Os quatro livros chamados Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João, que dão ou pretendem dar, o nascimento, ditos, a vida, pregação e morte de Jesus Cristo, não fazem menção do que é chamada a queda do homem; nem é o nome de Adão para ser encontrado em qualquer um desses livros, o que certamente seria se os escritores que acreditavam que Jesus foi gerado nasceram e morreram com o propósito de redimir a humanidade do pecado de Adão, que havia trazido para o mundo. Jesus nunca fala de si próprio, do jardim do Éden, nem do que é chamada a queda do homem.

  Mas a Igreja de Roma, tendo criado a sua nova religião, que chamou o cristianismo, inventou a crença que o nome dos Apóstolos's Creed, em que ele chama Jesus o único filho de Deus, concebido pelo Espírito Santo e nascido da Virgem Maria; coisas das quais é impossível que um homem ou mulher pode ter alguma idéia e, conseqüentemente, a crença não, mas nas palavras, e para o qual não há autoridade, mas a história ociosa é o sonho de José, no primeiro capítulo de Mateus, que qualquer impostor pode projetar ou tolo fanático pode fazer.

  Em seguida, as alegorias fabricadas no livro de Gênesis em verdade, e a árvore alegórica da vida é a árvore do conhecimento em árvores reais, ao contrário da crença dos primeiros cristãos, e para os quais não há a mínima competência em qualquer dos livros do Novo Testamento, porque em nenhuma delas há qualquer menção feita do local, como o Jardim do Éden, nem de qualquer coisa que se diz ter acontecido lá.

  Mas a Igreja de Roma não podia erguer a pessoa chamada Jesus em Salvador do mundo, sem fazer alegorias no livro de Gênesis em verdade, embora o Novo Testamento, como observado antes, não dá qualquer autoridade para isso. Tudo de uma vez a árvore alegórica do conhecimento tornou-se, segundo a Igreja, uma árvore real, fruto do que fruto real, e comer do mesmo pecado.
Como o sacerdócio sempre foi o inimigo do conhecimento, porque o sacerdócio se sustenta por manter as pessoas na ilusão e na ignorância, foi coerente com sua política de fazer a aquisição de um conhecimento verdadeiro pecado.

  A Igreja de Roma ter feito isso, em seguida, traz para a frente, ao filho de Maria; Jesus, sofrimento e morte para redimir a humanidade do pecado, que Adão, ele diz, tinha trazido ao mundo por comer o fruto da árvore do conhecimento. Mas como é impossível para razões crer que essa história, porque não vejo razão para isso, nem qualquer evidência de que a Igreja nos diz, então não devemos considerar a nossa razão, mas tem que acreditar, por assim dizer, e que através grossa e fina, como se Deus tivesse dado razão como um homem brinquedo, ou um guizo, com o propósito de tirar sarro dele.

  A razão é a árvore proibida do sacerdócio, e pode servir para explicar a alegoria da árvore proibida do conhecimento, para que seja razoável supor que a alegoria tinha algum significado e aplicação no momento em que foi inventado. Foi a prática das nações do Leste para transmitir seu significado de alegoria, e relacioná-la à maneira de fato. Jesus seguiu o mesmo método, mas ninguém nunca supôs a alegoria ou parábola do homem rico e Lázaro, o filho pródigo, as dez virgens, etc, foram fatos.

  Por que então a árvore do conhecimento, que é muito mais romântico na idéia que as parábolas do Novo Testamento são, supostamente é uma árvore real? A resposta para isso é, porque a Igreja não poderia fazer seu novo sistema de moda, que chamou o cristianismo, unir sem ele. Ter feito Cristo para morrer por conta de uma árvore alegórico teria sido muito descarado uma fábula.

  Mas a conta, como é dado de Jesus no Novo Testamento, mesmo visionário como ele é, não suporta o Credo da Igreja, que morreu para a redenção do mundo. De acordo com essa conta que ele foi crucificado e sepultado na sexta-feira, e subiu novamente de boa saúde na manhã de domingo, para nós não ouvirmos que ele estava doente. Isso não pode ser chamado de morrer, e é bastante divertido de fazer da morte que o sofrimento dela.

  Existem milhares de homens e mulheres também, que poderiam saber que deveria voltar em boa saúde em cerca de trinta e seis horas, prefere esse tipo de morte por causa da experiência, e saber que do outro lado o túmulo foi. Por que então o que seria apenas uma viagem de divertimento curioso para nós, ser ampliado em mérito e sofrimento nele? Se um Deus, ele não poderia sofrer a morte, a imortalidade não pode morrer, e como um homem de sua morte não poderia ser mais do que a morte de outra pessoa.

  A crença da redenção de Jesus Cristo é completamente uma invenção da Igreja de Roma, não a doutrina do Novo Testamento. O que os escritores do Novo Testamento tentaram provar pela história de Jesus é a ressurreição do mesmo corpo da sepultura, que era a crença dos fariseus, em oposição aos saduceus (seita de judeus), que negou.

  Paulo, que foi criado um fariseu, trabalhou duro para isso era a crença de sua própria igreja farisaica: I xv Corinthians está cheio de casos de suspeitas e afirmações sobre a ressurreição do mesmo corpo, mas não há uma palavra sobre a redenção. Este capítulo faz parte do serviço de funeral da Igreja Episcopal. O dogma da redenção é a fábula de sacerdócio inventado desde o tempo do Novo Testamento foi compilado, e a ilusão agradável de se adequar com a depravação dos fígados de imoral. Quando os homens são ensinados a imputar todos os seus crimes e vícios às tentações do diabo, e acreditar que Jesus, pela sua morte, esfrega tudo fora, e paga a sua passagem para o céu gratis, eles se tornam tão descuidados em moral como um perdulário seria de dinheiro, se ele disse que seu pai tinha se comprometido a pagar todas as suas pontuações.

  É uma doutrina perigosa, não só à moral neste mundo, mas para nossa felicidade no outro mundo, porque detém a tal barata, fácil e preguiçosa maneira de chegar ao céu, como tem uma tendência a induzir os homens para abraçar o ilusão de que a sua própria lesão.

  Mas há momentos em que os homens têm pensamentos sérios, e é nesses momentos, quando elas começam a pensar, que elas começam a duvidar da veracidade da religião cristã, e assim podem, por isso é muito fantasiosas e demasiado cheio de conjecturas, inconsistência e irracionalidade improbabilidade, para permitir o consolo para o homem pensativo. Sua razão revolta contra seu credo. Ele vê que nenhuns dos seus artigos são provados, ou pode ser provado.

  Ele pode acreditar que uma pessoa como é chamado Jesus (de Cristo não era o seu nome), nasceu e cresceu para ser um homem, porque ele não é mais do que um caso provável e natural. Mas quem é para provar que ele é o filho de Deus, que ele foi gerado pelo Espírito Santo? Dessas coisas não pode haver nenhuma prova e que não admite prova, e é contra as leis da probabilidade e da ordem da natureza, que Deus criou, não é um objeto de crença. Deus não deu razão ao homem constrangê-lo, mas para evitar o seu ser imposta.

  Ele pode acreditar que Jesus foi crucificado, porque muitos outros foram crucificados, mas que é para provar que ele foi crucificado pelos pecados do mundo? Este artigo não tem nenhuma prova, nem mesmo no Novo Testamento, e se tivesse, onde está a prova de que o Novo Testamento, em relacionar as coisas nem provável nem demonstrável, é para ser acreditado como verdadeiro?

  Quando um artigo em um credo não admite prova nem de probabilidade, a salva é chamar-lhe “a revelação”; mas isto é apenas uma dificuldade em colocar no lugar do outro, por isso é tão impossível de provar uma coisa para ser a revelação como é provar que Maria foi concebida com o filho pelo Espírito Santo.

  Aqui é o deísmo é superior à religião cristã. É livre de todos aqueles inventados e artigos de tortura. Sua crença é pura, simples e sublime. Ele acredita em Deus e não descansa.
Homenageia a razão como o choicest dom de Deus ao homem, e a faculdade em que ele está habilitado para contemplar o poder, a sabedoria e a bondade do Criador exibida na criação e repousando-se sobre sua proteção, tanto aqui como adiante, evita todas as crenças presunçosas, e rejeita, como as invenções fabulosas dos homens, todos os livros que fingem revelação.

- Thomas Paine

17 comentários em “Comparação do deísmo com a religião cristã.”

  • 13 de março de 2011 19:21
    dylan ricardo Disse:

    Muito interessante, mas basicamente o deismo desantropomorfisa um deus para dar-lhe uma existencia amorfa e energetica. Isso nao tira o carater de dogma do deismo. Se muitas outras religioes sao dogmaticas por crer num deus com forma humana, o deismo eh interessante por destruir essa ideia humanizadora de uma deidade, porem, nao abandona o dogmatismo quando afirma que um deus existe, mesmo nao expondo prova alguma. A nao ser uma ideia abstrata de uma divindade nao intervencionista.

    delete
  • 14 de março de 2011 15:31

    dylan ricardo Concordo com vc, porem acho que pelo fato da pessoa ter escolhido o deismo ele está muito longe de ser tão dogmatico(comparado) as religiões.E por esse fato pode muito bem pensar diferente(no meu caso)de não ter essa certeza da figura de Deus, acho melhor n qrer ter certeza,a n ser apos uma revelação.
    Mas convenhamos que pensar na figura de deus como sua semelhança n passa de uma especie de ambição.

    delete
  • 1 de setembro de 2011 01:37
    belo Disse:

    sou deista por ser pelo acreditar em deus mas nao nessa palhaçada de religiao belo

    delete
  • 3 de novembro de 2011 17:47
    Anônimo Disse:

    Discordo de Dylan Ricardo, visto que no Deísmo não há dogma, você não está preso a uma definição de Deus. E sim pode procurá-lo e manifestá-lo da forma que deseja, mas isso vale pra você. Portanto, não há dogma a ser seguido. A busca de realização espiritual é particular.

    delete
  • 4 de maio de 2012 00:33
    Unknown Disse:

    deismo = cabeça aberta = várias possibilidades a serem pensadas. como o anonimo disse, o fato de não podermos definir a forma exata de deus conduz a varios questionamentos e ideias diferentes. questionamentos são o oposto de dogmas.

    delete
  • 16 de maio de 2012 01:50
    Anônimo Disse:

    Na cultura judaica-cristã Deus não impede questionamentos (Is 1:18). Diante de todas as possibilidades, Jesus (aquele que dividiu a história, cuja morte e ressurreição são honestamente incontestáveis) diz que Ele é o caminho, a verdade e a vida. Fora dele há debates...pessoas se debatendo,mas convergindo graciosamente ao seu amor irresistível. Há deuses, profetas, divindades...mas, apenas um túmulo vazio. Sem contestações, desde a sua morte até os dias de hoje (Mt 28).

    delete
  • Este comentário foi removido pelo autor.
    31 de janeiro de 2013 14:59

    Este comentário foi removido pelo autor.

    delete
  • 31 de janeiro de 2013 15:01

    Você viaja em diversos aspectos.Já na primeira linha você diz que todos são deístas... na boa NADA A VER... Depois você fala do credo Cristão, que credo, no cristianismo existem tantos que fui levado a pensar que seu conhecimento sobre o cristianismo é extremamente superficial... dai em diante não consegui terminar de ler seu texto, me desculpe!

    delete
  • Este comentário foi removido pelo autor.
    14 de março de 2013 13:18
    Gibran Dias Disse:

    Este comentário foi removido pelo autor.

    delete
  • 10 de abril de 2013 12:18

    Olha, vou ser bem sincero.

    Um dos princípios da filosofia deísta é a liberdade de pensamento, porém a filosofia tem sua essência original, existe uma definição para o deísmo. Deísmo é a crença num Deus onipotente, porém ausente, criador ou não, acreditamos na RAZÃO através das forças UNIVERSAIS e NATURAIS. O deísmo NÃO é uma religião é uma postura; tendência FILOSÓFICA. Então não devemos cometer o erro de comparar nossa FILOSOFIA deísta com RELIGIÕES, até porque pode haver confluências entre as duas coisas e de certa forma NATURAL.

    Vou lhes dar um exemplo de como essa confluência pode ocorrer...

    Meu caso; sou de origem católica, minha mãe católica fervorosa e seguidora e respeitadora da doutrina da igreja, não podíamos faltar um domingo sequer, sentávamos nas primeiras filas da igreja, sou batizado, crismado e fiz a primeira comunhão, meu primeiro casamento foi na igreja católica, minha segunda esposa é católica, embora não frequentamos missas, ela acende uma vela todo dia em suas orações, toda sexta feira a levo na igreja de São Judas para que possa acender sua velinha e vamos todos os anos em Aparecida/SP e pra complicar um pouco mais a estória, minha filha é evangélica, sei lá de qual igreja, mas o é.

    Bom, meu caso, eu sou deísta, mas isso não me impede de entrar numa igreja e rezar um pai nosso; calma, vou explicar... o pai nosso no meu entendimento é apenas uma oração, uma igreja apenas um lugar sagrado, digo sagrado no sentido de remeter aqueles que lá estão à reflexão dos sentidos. Eu entro NATURALMENTE numa igreja, converso com Deus, essa conversa é pessoal, não tem nada haver com doutrinas ou religiões é só uma forma de reflexão PESSOAL.

    Sabem, eu acredito que o deísmo é um filosofia independente, pessoal, democrática e principalmente; aberta e respeitadora. É muito comum encontrarmos deístas com um pezinho na religião é mais comum do que se pensa. O deísmo nos ensina que o entendimento divino vem pela razão e a razão só ocorre no equilíbrio da tranqüilidade e serenidade, ninguém amargurado, irado, alcoolizado, desequilibrado; fora de suas funções NATURAIS encontra à razão. O grande segredo é a interpretação dos fatos, a bíblia, por exemplo é um livro que no meu entendimento foi escrito no intuito na interpretação, qualquer liturgia religiosa cabe a interpretação, aliás, qualquer livro é plausível de interpretação, nós devemos filtrar o que nos seja conveniente, não é porque está escrito que seja verdadeiro; verídico, mas a leitura é sempre uma fonte, não estou incentivando a leitura da bíblia, estou dizendo que nós deistas estamos em constante evolução, da mesma forma que o próprio UNIVERSO está, eu não consigo aceitar o preconceito religioso, seja ele qual for, mesmo que esse preconceito seja originariamente deísta. Se somos essencialmente pela razão, então expliquem-me o porque das dúvidas em relação às religiões, me parece um pouco de amargura, não?

    Poderemos encontrar cristãos/deístas, espíritas/deístas, maçons/deístas, não devemos confundir RELIGIÃO com ORGANIZAÇÃO RELIGIOSA, são duas coisas relacionadas, porém diferentes. O cristianismo é tão importante para os cristãos, quanto o deísmo é para nós, espiritismo, islamismo, budismo e por ai vai, de certa forma a religiosidade é uma necessidade humana, filosoficamente falando, afinal dentro do cristianismo ou qualquer outra religião existe o princípio filosófico, devemos compreender a essência, esqueçam dogmas, doutrinas, organizações e liturgias, pensem na essência filosófica de cada religião.

    Enfim, recuso-me a crer que no deísmo possa haver espaço para a dúvida, quando se há à razão.

    delete
  • 27 de junho de 2013 11:06
    Anônimo Disse:

    Aurélio, vc é um religioso e por alguma razão não quer aceitar isso. Vc até se identifica com o deísmo, mas não consegue se desprender de sua histórico familiar cristão. Por mais que vc se intitule deísta, meu caro, seus pensamentos aqui expostos te direciona à religião. É o que senti em suas palavras. Vc diz que vai a igreja, ora, aceita como um local sagrado. Não faz sentido vc orar para um Deus não intervencionista, orecebe.. Um grande abraço amigo. Desejo felicidades a vc.

    delete
  • 29 de julho de 2013 10:58
    Anônimo Disse:

    Sou deísta pq acredito que existe um Deus, mas não acredito em nada que esta naquele livro que chamam de sagrado "biblia"...

    delete
  • 20 de agosto de 2013 16:37
    Anônimo Disse:

    AURÉLIO, ENQUANTO VC AGIR TAL COMO COLOCADO EM SUAS PALAVRAS ACIMA, ESTÁ CLARO QUE TU É UM TEÍSTA: VAI A IGREJA, REZA O PAI NOSSO, TEM COVERSAS "PESSOAIS" COM DEUS. ORAS, NÃO TENTE EXPLICAR MAIS NADA - SENÃO NOSSA CONVERSA VAI LONGE E NÃO VAI NOS LEVAR A NADA. ACEITE SUA RELIGIÃO E SEJA FELIZ - SÓ NÃO TORNE A DIZER QUE OS DEÍSTAS ESTÃO COM UM "PÉ DENTRO DA IGREJA", POIS DESTA FORMA ESTÁS COMPLETAMENTE ENGANADO, NÃO ME RESTA DÚVIDAS QUE VC ESTÁ FALANDO DE VC MESMO QYANDO AFIRMA ISSO, PERCEBE!!

    ABRAÇOS..

    delete
  • 2 de dezembro de 2013 10:42

    Vou resumir então...

    DEÍSMO NÃO É RADICALISMO, pelo menos na razão, se é que me entendem, ou melhor, se entendem a essência da palavra RAZÃO.

    Deísmo não é radicalismo, muito pelo contrário; é uma filosofia.

    Vocês entendem o que seja filosofia? É uma atitude; ação pessoal e no caso do deísmo independente.

    Não é você que ira me dizer quais são as regras do deísmo, até porque NÃO HÁ REGRAS, existe a razão dentro da essência filosófica deísta.

    Entendem? Ou quer que eu desenhe?

    delete
  • 2 de dezembro de 2013 11:18

    Não vou sequer esperar respostas, vou logo desenhar...

    Infelizmente alguns acham que ser deísta basta repudiar qualquer tipo de religião, porém sequer conhecem a essência do deísmo, desconhecem suas origens e principalmente a filosofia deísta, aliás, nem sabem o que seja filosofia. Estas pessoas julgam antes de estudar os fatos, não percebem as evidências.

    Deísmo é acima de tudo; compreensão.

    Quando o deísmo fala da razão, a filosofia diz isso na plenitude da palavra, então não sejamos ignorantes; burros ou alienados, devemos, como sempre falo, compreender antes de julgar sem conhecer. A razão no deísmo está irrefutavelmente e diretamente relacionada à racionalização dos fatos e evidências, daí então talvez não aceitarmos algo, mas compreendermos.

    A atitude de simplesmente ignorar, repudiar ou até mesmo odiar, não significa ter à razão, pois estas atitudes não são dignas de racionalidade.

    Quando falo em compreensão não falo no sentido figurado da palavra, falo no sentido essencial da atitude, ou seja, na aplicação da palavra. Por exemplo, você sabe o que seja religião? Sabe a importância da religiosidade nas pessoas? Ou simplesmente não racionaliza porque não compreende? Você argumenta? Ou desconhece os argumentos? Se não argumenta é porque não conhece os fatos.

    Sou deísta, mas não apenas por acreditar que Deus é onipotente, porém ausente e interferente e tals, eu estudei e estudo o deísmo. Quando descobri o deísmo, a primeira coisa que quis foi conhecer suas essencialidades, fui atrás de vários questionamentos deistas e suas confluências com a religiosidade, inclusive dentro das religiões.

    Se você quiser ser um médico, terá que ser um médico, se você quiser ser um advogado, terá que sê-lo. Se você quiser ser deísta, terá que compreender o que seja ser deísta, terá que compreender sua filosofia, terá que se compreender. Ser deísta não é tão simples como alguns pensam ser, a simplicidade deísta estará na plenitude da compreensão do próprio deísmo.

    NÃO BASTA APENAS DIZER-SE DEÍSTA, TEM QUE SÊ-LO.

    delete
  • 6 de dezembro de 2013 22:00

    Os homens criaram muitas religiões, seitas, filosofias, teorias, etc.; escreveram muitos livros, mas eu só preciso de Deus.

    delete
  • 7 de janeiro de 2014 17:01
    Anônimo Disse:

    De duas, uma: ou Sr. Thomas Paine é um estudioso que desconhece totalmente a Teologia ou o tradutor/editor do texto pecaram na tradução. Texto muito confuso e cheio de erros de concordância, fatos históricos e interpretações dos livros "sagrados". Não é aconselhável ler as "Bíblias" de várias religiões ao pé da letra.

    Thiago

    delete

Postar um comentário

 

[U.B.D] União Brasileira dos Deístas Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger